Postagens

Mostrando postagens de 2009
Tu és meu senhor
Majestoso
Aquele que por mim
Faz tudo
Me sinto amada infinitamente
Não sei te agradecer senhor
Sou menos
Sou pecadora
E sou amada
Não sei explicar o que sinto
Quando eu vejo
O entardecer virar pintura
Eu me pergunto
É pra mim?
Sem palavras quando te vejo no céu
Minha alma não se sacia
Em te querer
Não se sacia em te ter apenas em pensamentos
Uma vez mais ou não
Talvez bem menos
Talvez nem tanto
Minhas garras afiam-se
Para o encontro
Pode ser que eu as use
Incluo uma essência de cheiros
Inebriantes
Caso precise
Não me esqueço das cores mais vivas
Jogarei ao alto quando sorrir
Mas também as cores escuras
Se tiver que chorar

É hoje
Quem sabe eu vá de lentes de águia
Ou de peixe pra não piscar
Serei um bicho
Serei uma pedra
Serei a morte
No encontro
Ou na partida
Seu sorriso clareia meu dia
Como um arco-íris
Apazigua minhas tempestades
E eu também sorrio
Seu olhar me dá certezas
E eu sei que posso tudo
Mais verdades ao acordar
Menos mentiras ao deitar
Assim planejei
Antes dos raios solares
Clarear os céus
Mas veio a tarde
As nuvens cobriram a aurora
E mais uma vez deixei pra depois
A coragem esvaiu de minha mente
E meu corpo se entregou ao engano
São menos verdades e mais mentiras
Uma vez mais
Quando tudo for nada
E a chuva cair como ácido
Corrosivo em seu coração
Você vai finalmente ver

Quando a flor desabrochar
E as pétalas secarem intactas em seu jardim
Então você vai sentir

Quando a água lavar
A sujeira de tua rua
Você saberá
Nada é por acaso

Você faz parte de um todo
E ainda não viu, não sentiu e não descobriu
É por isso que ainda
Não moveu montanhas
Ainda não viu um camelo passar por uma agulha
E nem tampouco tocou as estrelas

A presa

Enxerguei uma saída pela fresta. A parede trincada me mostrava que já era dia. Tudo escuro. Apenas uma tentativa... Apurei meus ouvidos para ver se havia mais alguém do outro lado. Nada. Sim eu poderia tentar. Fui cavoucando lentamente, sem muita esperança boca seca e uma vontade imensa de beber alguma coisa. Mas não tinha nada. Me agarrei àquela pequena claridade como se fosse minha última chance.Meus dedos foram ganhando força e mesmo quebrando unha a unha fui tirando um pouco daquela parede que me tirava a liberdade.Passaram-se horas e eu naquele exercício de cavoucar.Levei um susto ao escutar um barulho do lado de fora.Eram eles.Ou seria um deles?Às vezes aparecia só um. Tornei a tentar escutar mais do que me era permitido naquele momento. Mas meu coração batia loucamente e parecia que eu iria morrer de tanto medo. Escutei barulhos, mas ninguém abriu a porta. Tornei a cavoucar a terra desta vez com mais cuidado pra não ter barulho. Minha boca seca, minha vontade de urinar... Tive …

Bom moço

Me perdoa
Sempre fui intensa ao amar
Furacões avassalaram minha vida
E eu me acostumei a tempestades
Aí vem você
Com esse jeito calmo e tolerante
Apaziguando minhas águas
Cuidando pra eu não me arrebentar
Na primeira onda mais forte
Me protegendo de minha própria ira
Me amando sem querer muito em troca

As vezes fico assustada
Não é possível que exista
Alguém assim
Em outras desconfio de seus gestos
De suas palavras
Me esquivo de seus carinhos
Não é possível
Que este seja você
Te procuro dentro dos olhos
Quero tirar sua máscara
De bom moço
E fico apavorada de pensar
Que você é assim mesmo
Seria mais fácil
Você ser como os outros
Mas não
É por isso que fico me revirando
Procurando tristeza onde não tem
É por isso que tenho que te pedir perdão
Essa minha rispidez sem motivo
Meu emburro sem ter nem pra quê
Quero motivos
É tudo
Quero motivos.

Escolha

As escolhas
Decisões que marcam a historia
De cada um
Sucesso ou fracasso
Quem sabe
A melhor escolha
Ninguém é capaz
O futuro é agora
E antes dele cada um teve que arriscar
Um caminho a seguir.

O pacote completo

se te quero
Vem o pacote completo
Você não é a fatia de um bolo
Que simplesmente retiro
Não é so um pe de meia
Que vem se unir ao meu
É a tecla de um instrumento agora inútil
É a nota de uma musica desafinada
Personagem de uma historia mal acabada
É a madeira de sustentação de uma ponte
Eu não posso te arrancar de seu mundo
Impossível te ter sem seqüelas
Junto ao meu mundo só quero só você
E não há jeito
Ou te tenho aos pedaços
Ou a conta gotas
Ou abarco todo o mundo que te pertence
Mas como?
Se o que vem além de você
Enxergo imperfeito caolho e doente
Parece um amontoado de problemas
A parte ruim de você
O seu defeito seu mal
Um presente de grego que abomino e repilo
É sua metade que apodrece e parece não ter jeito
Vou adiando esta outra sua faceta
Enquanto posso
E se tudo consiste em escolhas
Ainda não sei se te quero por inteiro
Se vivo com suas metades ou
Afasto de todo meu bem
Meu mal

De dentro pra fora

te conhecer
Sem rosto
Na escuridão
Foi te ver por dentro
Admirar sua beleza oculta
Sem cor sem idade
Te sentir
Seu cheiro sua voz
Acordando sentimentos
Há muito adormecidos

Te imaginar
Príncipe sensual
Completo
E bem depois
Bem depois enxergar teu rosto
Teu cabelo teus olhos
O amor nasceu assim
Estranhamente de dentro
Pra fora

palavras perdidas

As horas vão passando
Brinco com as palavras
Elas vem e vão
Vacilo e num suspiro
Perco uma palavra perfeita
Distraio e outra vai embora
Pra sempre
Meu poema incompleto ali fica
A espera de morfemas
Cedo ou tarde
Chega
O encaixe esperado
Entre um cochilo e outro

Cerebro

Cérebro:
Simples substancia
Que move as ideias complexas.

Barro

as palavras deixaram
De ter sentido
Quando envolta em lamas
Eu não me distinguia
Entre o barro e a sujeira
Me via às vezes
Remexendo tentando
Me limpar e entrar
Me enlamaçava
Ainda mais para completar
A minha essência:
Sou feita de barro!
Enfim essa sou eu.

Acabou

acabou
Percebo
Me entendo
Enfim
Eu te amei
Perco o chão
Arrasada
Abalada
Sem estrutura
Para levantar
Percebo
Eu te amei
Neguei o quanto pude
Enfrentei minhas feridas
Demoli
Minha própria
Historia
Errei, eu sei
Percebo
Eu te amei.

Eu vou

vou cravar as unhas na lua
Pra abaixá-la e abraça-la
Só assim preencherei a lacuna entre os meus braços
Meus pés vão afundar-se no oceano pra cobrir aos menos meus joelhos
Vou chutar o nada e chacoalhar esta esfera que chamam de planeta
Vou sacudir o mar e fazer os continentes se juntarem pra esses gringos ficarem grogues
Todo mundo vai perder a identidade e vai se achar um só
O mar vai correr pro rio e o rio vai virar chuva
Todo mundo vai remexer só por causa de uma brincadeira minha
Eu vou rir dos reis e zombar dos presidentes
Botarei eles no meio da fome, do ebola e do nada
A bagunça vai ser tão grande
E ninguém vai querer arrumá-la.
(03/09/08)

O dono

é assim?
Dono do eco que me enlouquece
É você o dono do clique e quem me tira o juízo
É quem decide o antes o durante e o depois
Quem começa e quem termina
É você quem liga e desliga
Aciona os comandos
Ou os apaga quando convém
E você quem trai ou atrai
Quem arama as armadilhas
E você quem deleta e quem contacta
Exatamente assim
É quem dá o primeiro passo e quem finaliza
È assim?
O dono
O dono
O dono?
(03/09/07)

no cais

De leve pegou no meu braço
Num toque me levou ao acaso
Sem agredir me conduziu
Seduziu
Eu boba me entreguei
Aos poucos
Aceitei
Quando vi você já me fazia sua
Nua
Fui feliz
Meio meretriz
Não me importei com as mentiras
Mas suas idas
Foram minguando
Quando me dei conta
Você sumiu em ondas
Eu no cais
Te procuro ao longe
No mar
Já sei
Você não volta mais
(03/09/07)

Pasarinho urbano

passarinho urbano
Saiu da gaiola
Sem querer
Ficou no muro
Perdido
Cantou diferente sem saber
Se era riso ou dor

Passarinho urbano
Nunca voou tão alto
Tem medo de mexer
E cair do outro lado

Como voar mais alto
E quem vai proteger
Dar comida
e cuidar

Passarinho urbano
É bicho amedrontado
Prefere voar aos poucos
E não come
E não bebe
E desfalece
Num último canto triste
Sem ninguém

Vai-te

Impossível
Acontecer
Algo a mais depois daqui
Eu sei você não é assim
Disfarça
Pra me ter conquistada
Sai agora
Não me olhe mais
Eu estou do avesso
Desde o ultimo amor
Não posso seduzir-me uma vez mais
Mal me esqueci do ultimo engano
Vai embora
Não me revire
Não fale ao meu ouvido
Diga mentiras
Assim eu sei
Que fugirei
Mas...
Na minha vista
Sou presa a ser capturada
Saia da minha vida
Ou serei prisioneira
De mais um amor perdido

mãe

Ser mae...Só quem é pode dizê-lo:
inexplicável sentimento de :cumplicidade,renúncia,amor,doação.
Ser mãe é experimentar o sentimento mais completo e possuir uma satisfaçao humana indescritível.
Ser mãe é dar ao filho tudo quanto é possível sem esperar nada em troca.
Ser mãe é incomodar-se pelo futuro do filho quando este não segue os conselhos.
Ser mãe é doer-se pela doença do filho ou vibrar por uma simples e natural conquista que ele possa ter.
Ser mãe é sim viver sempre pelo outro: o filho.
Feliz dia das mães.

promessa

sem planejar tropecei em você meus olhos enxergaram o seu coração isso só acontece uma vez meu bem, eu soube naquele instante nossos caminhos seriam apenas um no momento eu só te amo fico frágil sem você ao meu lado eu te quero você sabe sigo a vida preparando pra ter ao meu lado eu sei você será feliz

Sem tempo

corro sem pensar no tempo ele compactua a meu favor o vento feito brisa toca as folhas das copas as águas vão e vem num ritmo musical eu ando a esmo sem me importar pra onde vou escuto os sabiás ou bem-te-vis eu não sei as nuvens forma figuras românticas algumas eróticas o sol meio quente meio frio parece dançar enqunto o dia parece não se importar com o relógio

perfeito amor

eu me lembro das coisas boas de nossos momentos fantásticos você meu encaixe perfeito minha cara metade perfeito amor que encontrei por acaso é felicidade meu bem é felicidade

se vivo eu não sei

como boemia urbana me envolvo em mazelas de uma vida selvagem se vivo eu não sei resisto ao lixo consumista ando a pé toco o vento com as mãos eu sinto mas se vivo eu não sei o coração pulsa meu sangue puro lateja ao abrir novos caminhos junto a um corpo que não é meu sou revolucionária do amor aventuro devaneios mas se vivo eu não sei

internet

a face encoberta carece de traços não não é alguém sequer pode ter sombra as palavras fazem sentido não são só rabsicos a voz de vez em quando melódica parece saber tudo de mim e se esconde por trás de um vidro há quilômetros reais é só uma máquina não pode ser

somente mais

Imagem
Enquanto eu abrir os olhos
E acordar ao seu lado
Não terei medo da claridade do dia
Ou o aproximar da noite
Basta apenas um olhar
E eu me desmancho
Sentir sua ternura me dá prazer
Quando eu penso
Vou me fartar de sua presença
Vou te querer afastado amanha
Mais e mais eu te quero bem perto
Então
Me beije
Me enlouqueça
Falando indecências em meu ouvido
Eu gosto
Eu preciso
Sempre um pouco mais.

A agulha e a linha

Por viés trepados
Te encontrei
Agora
Preciso te sentir
Em vários momentos
A noite é só sua
Somos um
Rimos e choramos
Por tudo
E por nada
Um agulha
O outro linha
Costuramos o tempo
E a distancia
Em um único retalho
Tornado possível
O imaginável

pensamentos 5

Enquanto o equilíbrio não chega eu fico na corda bamba com medo de dar um passo a frente temerosa de dar um passo pra trás.Entre uma e outra , eu somente eu posso cair e machucar os outros.

pensamentos 4

Há tanto tempo não usava o lápis ...que agora abuso.É uma forma de mostrar o quanto eu senti saudades.

pensamentos 3

Amo as palavras faladas mas prefiro as escritas..São mais autênticas e sabias.

mini

Adoro letras
São rabiscos
Que falam em silencio

pensamentos:

A balança pondera extremos ou pesa antagonismos?

D-espertando a língua portuguesa

D-espertando a língua portuguesa

Bolinar significados
Introduzir semântica
Em palavras inocentes
Incendiando a criação

Perverter sinônimos
Diminuir os aumentativos
E adjetivar os verbos

Se possível
Aos poucos
Quando impossível
Depressa
Em momentos de
ida e volta

Tudo para não
Mofar os
Morfemas

elementos quimicos

Conhecendo sua massa
Minha vida ganhou volume
Você ferro
Eu fogo
Fundimos
Numa coisa só
E agora
Não há solução
Esta liga metálica que nos une
Revela a nossa temperatura
Que só se mantém constante
Quando não há nenhuma substância entre nós
Joga fora tudo que nos prejudica
O dióxido e o monóxido
Oxida a minha vida
Não se preocupe com as ferrugens
O tempo já nos cromou
Para eternizar nossa densa idade

Desvendar

Aguardo
Sua resposta enquanto me desvenda
Ou devo lhe dizer desvela?
Você me desnuda
E eu disfarçadamente (escancarada)
Pra ser mais exata
Te rodeio
01/02/05

limite

No meu limite
Agüentei tua mesquinhez diariamente
Quando pensei não da mais
Você me surpreendeu
Com mais absurdos
No meu silencio te odiei
Refleti”todos têm razão”
Você é rocha bruta
ilapidável
Sempre a mesma
Não muda nunca
Teu fel no canto dos lábios
Lambuza o chão que pisa
Tua voz faz estremecer quem te cerca
“isso não está certo”
Diante de tua ira
Enquanto se distraia em pisar,espezinhar, humilhar
Eu não pensei
Me afastei.
01/02/05

ferros

De ti fazem algemas
Ou desmancham tratados
São ferros e aços
Arames farpados
Feridas abertas
No fim não findam as dores
Ficam as cicatrizes
São ferros grilhões
Construções
Lares
Trabalhos ou prisões
Carros, trilhos ou armas.
Antigas modernas
São ferros
Nas mãos
De qualquer cidadão
01/02/05 as 11:30
Foi no primeiro encontro
Os olhos teus
Encantaram os meus
Foi no primeiro encontro
O amor tão sonhado
Enfim concretizado
Foi no primeiro encontro
A certeza de que minha vida
Entrelaçaria à sua
Sem volta
Ou
Arrependimento.

..

Sacralizei nossos momentos
Já tão poucos
Neste momento só você
Liberta de intenções
Me dediquei a te escutar
As batidas de seu coração
Soavam como musica
Em compassos decifrei a melodia
era amor
Com medo de te perder fui me cedendo sempre um pouco mais
Por você rastejei
Por você desisti de meus sonhos
Por você tornei-me
Bailarina de uma caixinha de musica
Meu encanto
Minha razão
Minha alegria
É você

Sua voz

Sua voz
Seus conselhos
Sua voz
Seu jeitinho
Sua vida
Meu presente
Meu bem querer
Minha canção
Seu coração
Sua voz
Me encontrei
Inspirei
Pra viver diferente
Seguir seu caminho
A teu lado
A meu lado
Na mesma direção

vento

Fecho os olhos
E te sinto
Não é vento
É você
Me tocando pelo vento
Vem forte quando a saudade dói
Vem brisa quando o amor sossega a alma
Não
Não deixa o furacão ruir esse sentimento
Não deixe tornados
Revirar nossas vidas
Assim ta bom
A brisa e o vento
Prolongando nossos elos
Sem mais dissabores.

ar

Foi na distancia
Que acalmei o vendaval
Que desfazia a minha essência
No anonimato
Encontrei conforto e esperança
Pra tranqüilizar os meus tormentos
De uma voz desconhecida
Recebi confiança e sinceridade
Em horas de mais puro deserto e acaso
Mais uma vez fui me descobrindo
Agora em dois
Quilômetros viraram metros
O amor virtual possibilitou o impossível
O tempo esta a nosso favor.

(...)(...)

Confusa
Trepada
Sem chão
Suspensa em minhas loucuras
Meus sentimentos se misturam
Perdi a razão e não
Sei o que é certo
Brinquei com fogo e me queimei
A dor é grande
Já não sei de mim mesma
Que certezas posso ter no dia de
Amanhã

(......)

Eu sei escrever poemas
Mas neste momento prefiro os decorados
]os mais usados
Prefiro o clichê:
“Eu te amo”
Não pela minha capacidade de criar
Mas porque
Quem inventou esta frase
Sabia o que estava dizendo:
Eu te amo.

receitas

Dose a vida com pitadas de bom senso em momentos de decisão.Cure as feridas com compressas de entendimento.Tome a conta gotas as regras ,em colheres ela pode atrapalhar.Distribua sorrisos e se desdobre em boas ações.Elas prolongam a vida e te tornam mais saudáveis.12/06/06 as 22:07

festa

Rodeada por estrelas
A noite baila
Exalando escuridão
Pirilampos fazem festa
A lua toca rabecão
Nuvens baixam sereno
O orvalho cobre a imensidão
A montanha exibe brilho
De pedrinhas e cascalhos
Participando do evento
Tudo é sensação
Os grilos cricrilam no mato
As cigarras no carvalho
Parecem cantar uma celebração
Quem olha tem certeza
Participa de um espetáculo
Da criação.
12/06/06

dia dos namorados

Que autoridade
E incômodo
Esta data
Nos causa.
Aos solteiros e aos... Comprometidos.
12/06/06

dualidade

Entre realidade e sonho
Busquei alternativas
Pra ser feliz
Entre certezas e duvidas
Encontrei uma verdade
Que não era minha
Entre a ingenuidade e o pecado
Dei de cara com a culpa
Não havia como voltar atrás
Entre a guerra e a paz
Enfrentei minhas dualidades
Restabeleci fora de mim a ordem
Por dentro
Nunca mais fui eu mesma.
12/06/06

Amor

Amo você
Não é qualquer pessoa
Que pode dizer
A mesma coisa
Minha vida gira em torno
Da sua pessoa
Creio e confio que nosso sentimento é eterno
Amor
Confiança
No olhar
Amor é real
Dedico o
O que a de melhor em mim
A você.
12/06/06

......

Vivo em crise
De amor
Insegura busco resposta
Em pessoas e lugares
Que não tem muito a oferecer
Desesperada me agarro em
Fantasias
Renuncio a
À verdade que tanto prezo
Eu choro como
Criança sem saber
Que rumo tomar
Pode ser que
Amanha passe ou não
Durmo na esperança
De no outro dia
Ver tudo resolvido.

Engano

Me enganei
Já não posso
Viver sem sua alma
Sem o calor de tua voz
Eu me iludo eu sei
Você tem outro amor
Mas sonho em ser só eu
Te acarinho e te persigo
Um cafuné no cabelo
Não é o bastante
Pra te sentir meu
Me enganei
Eu errei
Já não posso
Viver sem você.

rendição

Eu não te resisti
Rendi-me a sua tristeza
As eu apelo
Mesmo sem chão
Cavei buracos
Minhas unhas cravadas na terra
Procura te preencher
Pra não ficar assim
Cabisbaixo
Eu me reviro
Finjo estar bem
Só pra te ter na vista feliz
Ah! Eu te quero
Feliz!De bem com ávida
Mesmo que pra isso
Eu tenha que andar
Em terras movediças
Em lamaçais
Fétidos e suspeitos
Se você sorri
Eu digo pra mim mesma:
“Valeu a pena”

Acaso

Foi um acaso
Ter-te na minha vida
Um acaso
Sem mais nem menos
Você e eu
De repente tudo a ver
Eu queria te trazer pra mim
Cercar-te de carinhos
Desde o amanhecer ate o alvorecer
Do outro dia
Assim sem plano sem trajeto
Andar por andar com você
Ao meu lado

Quem

Quando é que complicou
Quem tornou difícil
A ausência
Quem tomou a mão
primeiro
E tomou conta da estrada
Quem saiu do percurso
E entrou na do outro
Só pra seguir junto.

Quem me diga quem
Amou primeiro
Quem amarrou os chinelos
Pra caminhar junto e
Quem caiu
E se levantou em um mesmo compasso
Quem perdeu o juízo e
Enlouquecido se declarou primeiro.

Ser triste

Ser triste
É engolir o choro
Sentir o coração descompassado
Em horas taquicardia
Em outras mal bate
Buscar
Pontos fixos e se perder ali
Em mil pensamentos
E ao mesmo tempo nenhum]

Ser triste
É ficar sentado
Sem querer se mexer
Sem ter pra que mexer
É estar solitário
Doido pra embrenhar no escuro e dela
Não mais sair

Ser triste
É de tanto segurar cair a lágrima
E ao mesmo tempo prende-la
É sentir o na garganta
E um grito sufocado
Reprimido

Estar triste
É esperar a solução sem forças pra seguir em frente
É contemplar o relógio sem
Perceber os ponteiros
É ser levado pelas pernas
Caminhando a esmo
Responder por responder
Fazer por fazer
Olhar por olhar


Estar triste
É não mais querer a vida
E esperar a morte
Ao mesmo tempo
Simplesmente deixar ela passar
Porque sempre passa
...a tristeza.

leite entornado

Saindo da medida
O leite sopitou
Entornou apagando o fogo
A chapa de repente mais quente
Guarda em sua superfície
Marcas antigas
Defeitos e ferrugens que não saem mais
Os sucos preenchidos de branco
É paz perigosa ao encalço das frestas.
Leite entornado não tem saída
Qualquer descuido e a
Bagunça foi total
A sujeira veio a tona
E ninguém sabe como limpa-la
Sem deixar marcas.

intuitivamente

Vou te encontrar
Intuitivamente
Vou te abordar
Perceber seus olhos
Seu cheiro sua voz
Vou me guardar
Pra você
Me diga meu bem
Intuitivamente
Você quer?
Vou assim sem bagagem
A nudez encoberta
Apenas por um fio de algodão
Intuitivamente
Eu vou chegar bem perto
Já estive distante por tempo demais
Intuitivamente

...

Reviro minha vida do avesso
Eu de repente faço canção
E perco a sanidade
Coração travesso
Deixou você agir com crueldade
Não me vacinei antes de te conhecer
E ainda por cima pareço não te merecer

E com essas rimas pobres e malfeitas
Vou tentando virar poeta
A todo custo
Pra expiar minha culpa
Em caminhar de costas
E de olhos fechados.

pé de meia

Sem mais nem menos
Perdi meu pé de meia
Agora um deles fica frio
E sofre de doenças diversas
E são farpas, são pedras
São cravos e até bicho-do-pé
Ele doente
Sofre pela meia perdida
Alguém sabe?Alguém viu?
É pelo pé que muita gente
Já despencou,já morreu
Eu pago bem
A quem me trazer aqui o
Meu mesmo pé de meia.
25/07/07 12:00

Gente

Gente que
Grita
Corrige
Revolta
Colore
Mistura
Barro e chuva

Gente que
Chora
Ri
Sofre
Marcado
Por dor e amor

Gente que suprime
Arrisca
Novas formas de viver

Gente solvente
Que dilui
O mundo e o tempo
Tornado-se história.

Estações

Minhas palavras trazem o néctar das flores
Fora de época
Eu sou a primavera

Colho frutos enquanto todos ainda plantam
Eu sou o entardecer de outono e no meu quintal
As árvores seguram as folhas:
Todas verdes

Pela vidraça eu vejo um mundo frio
que se agasalha com as mãos
Eu as uso para dançar nua no tapete da sala
Afinal aqui dentro ainda é verão

Quando a lua mistura-se entre as nuvens
Quando o escuro pede silêncio
Procuro minha metade para aquecê-la e
uivo no seu ouvido:
Você não pode ter frio
Eu sou inverno

D-espertando a língua portuguesa

Bolinar significados
Introduzir semântica
Em palavras inocentes
Incendiando a criação

Perverter sinônimos
Diminuir os aumentativos
E adjetivar os verbos

Se possível
Aos poucos
Quando impossível
Depressa
Em momentos de
ida e volta

Tudo para não
Mofar os
Morfemas

Mestre

Foi assim cuidando de mim
Como a mais pequena flor
Me oferecendo o melhor
Para desabrochar enfim

Foi assim em nome do amor
Da educação
Querendo sempre mais e o melhor
Pra mim
Deixou-me desabrochar
Aos poucos
Eu do meu jeito
Fui me sentindo mais
Com mais cores talvez

Você mestre
Ano a ano ensina e
recolhe-se
Da cena mas ainda faz parte do espetáculo
É como a primavera
Você fada
Permanece num incansável
Ensinar
Transformando nossos dias em bailados
únicos

Você é pequeno mas incrível
Seu ofício árduo nos lapida pouco a pouco
Na vida por suas mãos
De flores
Metamorfamos
Somos então borboletas
Prontas a sair pela vida
Levando um pouco do que você é.

Luta

Sentindo fluir o tempo
A força da vida esvaindo
Num corpo já cansado e gasto
Me perdendo mais uma vez
E finalmente compreendendo
Nasci porque alguém quis

Procurando pretextos pra viver bem
Fazendo por fazer
Acordando por acordar
Percebendo o tempo ir embora
É mais um pôr-do-sol
Que se vai

Eu reviro minhas entranhas
Tento ser mais do que fui no passado
Mas só tenho cacos de mim mesma no presente
Luto pra que eu não vire pó

Vejo ao redor de mim
Pessoas que foram muito mais
E hoje são purpurinas por onde passam
E eu invejo este brilho que contagia
Mas não pega

O relógio não anda pra trás
Pra me refazer
Eu sei não dá tempo
Reconstruir minha historia não dá
Um pouco tarde pra costurar meus retalhos
Então me canso de lutar
E me deixo finalmente
Fluir no esquecimento

Separação

Separei as minhas roupas
Pendurei minhas sandálias
Rebusquei meus argumentos
Falei por nós
Me humilhei mais uma vez
Tudo em vão
Você irredutível
Escapou por entre os dedos
E agora estou só
Caí na noite
Pra preencher este vazio
Foi por causa de você
Senti que deveria
Suplicar-lhe um pouco mais
Você parecia sentir náusea
Ao encontrar com meu olhar
Eu sou agora apenas sombra
Nada restou
Em mim

(...)

Gastar a vida sem medo
Livrar de todas as amarras
Perdoar os erros de quem só te quis bem
Chegar mais perto de quem você ama
Achar motivos pra dormir mais cedo e sonhar
Acompanhar o vôo de um inseto distraidamente
Lembrar de uma história boa
Esperar por alguém de um jeito diferente
Procurar um motivo pra sorrir
Chamar um desconhecido pra conversar
Escutar a prosa da vizinha chata
Desfazer os nós complicados
Prender o olhar num galho de árvore
Esconder uma bala em uma das mãos
Sentir a intensidade das coisas
Levar o tempo no seu tempo
Verbalizar os sentimentos e
Curtir

Sonho

Sonhar felicidade
Delirar meio acordada
Você e eu próximos o bastante

Em êxtase sentir a vida no topo
Entornar o copo
Sem preocupar com o depois

Virar a mesa
Sorrindo de tudo e sem saber de nada
O meu melhor é agora
Madura
Segura
Você e eu próximos um tanto assim
Sobra
Amor
Feliz
É sonho ?